A ORIGEM DO NOSTROMO

Eu, assim, como toda criança cresci nos anos 90, com a televisão ligada, sem perder nunca uma Sessão da Tarde, uma Tela de Sucessos, até mesmo quando meus pais não viam, rolava um Corujão.

Vários filmes nessa época, marcaram minha infância, não cabe aqui pautar quais são, seria uma lista muito longa, entrando de Goonies, Conta Comigo, até Mad Max e Máquina Mortífera, porém alguns sempre acabam te marcando mais, ou melhor, te deixando marcas, que você levara para sempre.

Esse é o caso de ‘Alien, o Oitavo Passageiro’.

Filme esse de 1979, velhinho já, mas que impressiona até hoje, pela tensão criada durante toda a trama.

Essa obra prima do cinema de terror espacial, foi dada ao mundo pelo mestre diretor Ridley Scott, um cara que como diretor não tem muitos filmes, e nem tantos blockbusters, porém quando um filme do cara emplaca, entra para história, basta pegar a sua sequência de direção, como disse, não são muitos, mas quando emplaca é história, logo após o lançamento de Alien, veio em 1982 ‘Blade Runner – O Caçador de Androides’, com Harrison Ford sonhando com ovelhas elétricas, se é que você pegou a referência, alguns anos de hiato, com alguns filmes que eu escolhi ignorar, e o cara volta mostrando o quanto é um diretor versátil, e emplaca mais um clássico das noites de TV no Sbt, em 1997 é lançado, ‘Até o Limite da Honra’, aquele filme da Demi Moore, pausa para homenagear a Demi Moore, que foi uma das rainhas da década de 90, enfim, esse filme ela resolve mostrar que, ser mulher as vezes tem que ser macho, e protagoniza a história fictícia da primeira mulher a receber formação pelo grupo de elite da Marinha dos Estados Unidos. Seguindo com Ridley, ele emplaca mais uma lenda do cinema, em 2000, sem bug do milênio, somos presenteados com ‘Gladiador’ – É assim que meu fusca anda! – E ficamos extasiados com a interpretação de Russell Crowe, construindo da queda de um general até sua morte honrada como um homem, nem preciso comentar esse filme, simplesmente foda! E o meu último grande destaque, sem querer ofender ninguém que goste dos filmes lançados durante esses, é ‘Falcão Negro em Perigo‘, de 2001, que puta filme de guerra, você vê o sofrimento dos soldados, a tensão criada por ele, o envolvimento com o cenário, as questões políticas, tudo, filme obrigatório de se ter assistido, ai ainda temos alguns outros, como ‘Hannibal’, também em 2001, ‘Cruzada’ de 2005, ‘O Gângster’ de 2007, com o Denzel Washington pagando de mafioso, temos a volta da parceria com Russell Crowe em ‘Rede de Mentiras’ de 2008, que rendeu mais um épico ‘Robin Hood’ em 2010, e para mim culminando em seu último filme de ficção, ‘Prometheus’, esse um capitulo a parte, porque até hoje não sei se gostei, se achei do caralho, ou se odiei. Ainda Não me julguem por isso.

Mas porque contar toda essa história do diretor, antes de cair de cabeça no assunto do post? Simples.

Para você respeitar ainda mais o que vou descreve

 

O filme ‘Alien, o Oitavo Passageiro’, narra a história, dos tripulantes da nave espacial rebocadora Nostromo (reconhece o nome?), foram até o planeta Thedus, para rebocar uma refinaria e 20 “MILHÕES” de toneladas de minério, e trazer de volta ao nosso querido planeta água, a Terra.

Até então, tudo em paz, mission accomplished, todo mundo feliz, “voltaremos para casa”, e é ai que o negócio começa a feder.

O computador de bordo da Nostromo, capta um sinal desconhecido vindo do pequeno planeta LV-426, próximo de onde estavam orbitando, e quem é empregado sabe, o patrão quer sempre mais! Ao receber a ordem de seus chefes, a tripulação tem que investigar o sinal, – Quem sabe não tem algo valioso lá? Esse é o pensamento dos empregadores da Nostromo, nossa querida companhia, Weyland-Yutani.

Nostromo se desprende da refinaria, deixando nela quatro tripulantes, a Subtenente Ripley, o Oficial de Ciências Ash e os Engenheiros Brett e Parker, desceram para a investigação com a Nostromo, os outros três, Capitão Dallas, o Primeiro Oficial Kane e a Navegadora Lambert.

Os três investigadores, descobrem que o sinal vinha de uma antiga nave alienigina – o que é escroto dizer, já que estávamos no espaço, e nós éramos os alienígenas para aquele corpo – E provando que Prometheus não é um filme de uma nave com uma tripulação burra, mas sim de humanos, os três resolvem entrar na nave para investigar melhor, e lá encontram nosso querido, Space Jockey, um Alien já fossilizado, porém com o corpo danificado, aparentemente seu bucho explodiu de dentro para fora, porém sem sinal de o porquê.

Mais afundo na nave, o Primeiro Oficial Kane, encontra um salão, cheio de ovos, não do tipo que se faz omelete, mas do tipo que te mata, ovos de Alien moleque! Quando chega próximo para analisar, algo o ataca, um ser diferente de tudo o que já se conhecia, um pequeno Alien, o nosso amigo, facehugger, e o desespero toma conta de todos, que voltam correndo para a Nostromo, carregando um cara com um bicho na cara.

Como único ser inteligente da nave, a sub tenente Ripley, não autoriza a volta dos integrantes para a refinaria, só que é coagida pelos outros a permitir a entrada e quebrar o protocolo da nave.

Uma loucura na enfermaria, todo mundo tentando tirar o bicho da cara de Kane, até que o ser se solta sozinho, como se fosse uma terça-feira qualquer, cai no chão e morre, e todo mundo descobre que o bicho é tão maldito que seu sangue é uma espécie de ácido que corrói tudo com o que tem contato. Nisso, do nada, como se realmente fosse uma terça-feira qualquer, Kane, acorda, como se tivesse tido um pesadelo se nenhuma sequela, nem nada.

Ai vemos que o ser humano, realmente merece ser extinto, esse negócio de piedade, de peninha, não rolaria comigo maluco, sua cara praticou sexo oral, com um extraterrestre que tem uma boca que parece uma vagina, e matou o bicho assoprando quando terminou? Tu ta de brinks com my face! Esse cara, NUNCA, e digo de novo, NUNCA, iria estar de volta com a tripulação, como se tivesse apenas caído e ralado o joelhinho, e isso aprendemos na sequência.

Durante o horário de café, todo mundo de boa, comendo seu pãozinho, e Kane, começa a surtar, o cara começa a tossir, parece engasgado, começa a convulsionar, quando de repente – PUTA QUE O PARIU – o cara abre no meio, meu irmão! Dele sai um bicho, que parece uma mistura de verme com uma piroca com dentes, correndo e se esconde na nave para terror de todos a bordo, What the porra é essa!!!

Se você é um cara esperto, e contou certinho, a tripulação é composta por sete pessoas, e nesse momento, “Voila!”, um brinde ao nosso querido Oitavo Passageiro!!!

“Pega pra capar”, é uma expressão que eu usaria nesse momento, pega a porra do bicho e destroça ele, mas de longe, que essa porra sangra ácido…

O grande problema nesse momento na nave, é que eles não tem armas, é uma missão espacial comercial, e não militar, a nave tem no máximo alguma coisa pra tacar no bicho, tipo umas latas de refrigerante, mas arma de fogo nada, nem um três oitão a bordo.

Uma observação que tenho que fazer nesse ponto da história, é a mesma que sempre faço, a todos que conheço que tem gatos, o bicho filho da puta, a porra do gato sabe onde tem tudo, só que não é um cachorro, e por isso não serve pra nada, só serve pra miar e espalhar pelo pelos lugares.

Pois bem, desabafos a parte, eis que a sociedade evoluiu, temos naves que rebocam refinarias espaciais, mas o costume de criar gatos ainda continuou, e é nele que o engenheiro Brett repara, ele vê que o bichano sentiu o rastro do bicho, ou que o bicho estava sendo atraindo o bichano, Brett então segue o gato, até ser surpreendido e virar a segunda vítima fatal do monstro espacial, que dessa vez já se mostra crescido, com o mitológico formato que já conhecemos, ele mata o engenheiro e sequestra seu corpo para a tubulação de vento.

Nesse ponto do filme, a tripulação desarmada, já havia começado a tentar se proteger para achar o Alien, e cria armadilhas, sensores de movimento e o que eu mais gosto um lança-chamas!!!

Descobrimos que o oitavo passageiro se alocou nos dutos de ar mesmo, e é por ali que é bolado um plano para elimina-lo. O Capitão Dallas, entra na tubulação e tenta fazer com que o bicho vá para uma esclusa de ar (aquele lugar da nave, que eles usam para jogar o lixo no espaço), pobre capitão, acredito que o convívio no espaço com os gatos deixou ele sem lembrar do que era um bicho selvagem, é claro que o plano não dá certo, mais um ponto pro Alien, menos um tripulante na Nostromo.

Nesse ponto, você já passou vários cagaços, por que o filme é muito tenso, de fato ele é um filme de terror, misturado com um suspense, no espaço, e que tem até um pouco de gore.

Sabendo que já tinha dado merda, começa a discussão entre os vivos na nave, a Navegadora Lambert, sugere a todos vazarem, a opção mais lógica, claro, utilizando-se da nave de fuga da Nostromo, deixa essa porra desse bicho aí e vamos negada! O grande problema é que sobraram quatro, e a nave só suporta três.

A discussão vai rolando e bicho continua solto!

Ripley, agora no comando de tudo por hierarquia, descobre que Ash, o oficial de ciências, fez uma espécie de jogo duplo, o fdp reportou para a empresa extrativista que eles trabalhavam, Weyland-Yutani, que acharam um Alien, e claro a empresa, solicitou o bicho vivo maluco! Simplesmente, foda-se vocês na nave e tragam o bicho para cá!

Ash vê Ripley descobrindo tudo, e assim como uma barraqueira maluca, parte para cima dela, que se embola na porrada e é salva pelo Engenheiro Parker.

Nesse ponto, minha cabeça explode junto com a do Ash, acredito que é o maior plot twist do filme, talvez até do cinema.

Ash na verdade não é humano, ele é um androide infiltrado pela corporação e ninguém sabia, só descobrimos porque ele tem sua cabeça arrancada pelo Parker, e continua tagarelando! E parafraseando Raul Seixas: -“…Minha cabeça solta caída no chão e viu meu corpo sem ela pela primeira e última vez!” Ash, o androide avisa, TODOS VÃO MORRER!

Agora estava fácil, sobraram três pessoas, era o que cabia na nave de fuga, era só fugir, se preparar, pegar tudo o necessário, e dar o pé largando aquele ser assassino para trás.

Parker e Lambert, vão reunir suprimentos para a viagem, enquanto Ripley vai ao comando central da Nostromo para iniciar a sequência de autodestruição da nave.

O único problema foi que Parker e Lambert deram de topo com o Alien enquanto estavam limpando o estoque, e viraram comida espacial, enquanto isso, Ripley, vai atrás de salvar o gato, o bicho só atrapalhou o filme. Agora Ripley tem o gato, e caminho livre para a nave auxiliar, só que não.

Ela é cercada pelo Alien, fodeu maluco, corre, enfim, foda-se o gato, vaza.

Após uma correria maluca, Ripley consegue se esconder do Alien, e tenta sem sucesso reverter o processo de auto destruição da Nostromo. E agora? Essa coisa vai explodir, e ela tem que fugir! Sua única rota de fuga, a nave auxiliar, está no caminho de um Alien, fazer o que, é a vida, vamos encarar!

No caminho para a sua fuga, ela se depara com algo estranho, cadê o bicho cabeçudo? O Alien sumiu! o Computador da Nostromo, contando os minutos finais, faz com que ela corra para a nave auxiliar, e como um clichê excelente mas que te deixa sempre nervoso, ela escapa da explosão por segundos, e enfim na nave auxiliar, sobrevive e pode ir pra casa!!!!!

Só que não… [2]

Descobrimos que Alien é muito astuto, e segue sua presa até o seu destino, e assim também escapa da explosão da Nostromo. Ripley percebe seu convidado indesejado, e começa a se preparar para uma última tentativa de se livrar do monstro. Como todo bom filme lançado próximo aos anos 80, temos um corpo seminu apresentado na tela, Sigourney Weaver, fica só de calcinha e top na tela, nos presenteando com a visão de uma moita bem voluptuosa, quando ela se veste com um traje espacial, assim como no tubo de ventilação, a ideia era, se prender no interior da nave, para não ser ejetada para o espaço, e abrir o compartilhamento externo para que o Alien saia voando, mas o fdp escapa por pouco, ela nesse momento, tem em sua mão, um arpão de gancho que utiliza como arma, atirando no Alien, deixando ele preso, porém a arma escapa de sua mão e deixa o bicho preso, amarrado na nave, ele tenta fugir para um dos motores, em uma fuga desesperada, porém Ripley o liga e enfim se livra do terror espacial, e pode voltar a Terra, livre, talvez não sã, porém salva!!!!

 

PS: o gato sobrevive, e vai para Terra também.

Que filmaço! Que história! Que tensão criada! Uma obra prima executada com maestria por Ridley Scott, ele conseguiu criar um universo, que se pode explorar e expandir, de várias maneiras, um mundo novo para cinema, games, quadrinhos, livros, uma história fixa na cabeça de uma geração.

Alien, me transformou em um fã de ficção cientifica, me fez consumir durante muito tempo, tudo relativo a esse gênero, fiquei maluco por histórias de alienígenas, maluco por história espaciais, viagem no tempo, androides, de ‘De volta Para o Futuro’ a ‘O Enigma Veio DO Espaço’, durante minha infância e adolescência, toda a década de 90 e início dos anos 2000.

Tudo isso faz você ter voltas, e toda volta te traz à lembrança de onde tudo começou, e nada mais justo, homenagear o que me fez começar tudo, batizando o nome dete blogue e do podcast como Nostromo, onde eu Mr. Trabs, Eldake e Dr. Pacheco, estaremos definhando temas relacionados a toda a cultura pop, tudo o que nos mais marcou e tudo que se você leu até aqui tem interesse, portanto de F5 e espere por novidades!

Compartilhe!

Você pode gostar...

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com