Cinema de Horror, monstros que te trazem pesadelos, mortos vivos, criaturas da noite, que te querem mortos, a muitos anos estamos acostumados com essas temáticas no cinema, não é de hoje que criancinhas pedem para dormir com a luz acessa, ou com a porta aberta, de uns anos para cá filmes de monstros estão desaparecendo, em seu lugar1379673424_michael_myers_vs_freddy_krueger slashers como A Hora do Pesadelo, que me deixou sem dormir por várias noites e hoje me rendem boas risadas, ou até mesmo a saga Halloween, com o assassino Michael Myers com a máscara do eterno Capitão Kirk,
que na minha opinião fecal, é a mascara mais foda ever, ou então filmes found footage, como A Bruxa de Blair ou a sequência REC e o famigerado e mais antigo e pouco recomentado Canibal Holocausto tem que ter estomago, enfim  a lista de generos é extensa, entrariamos em gêneros e subgeneros e não conseguiria parar de opniar edar exemplos, porém, o que muitos não comentam são os clássicos filmes feitos na década de 30, que consagraram o cinema como fonte de horror, muito maior que as histórias do seu tio escroto fazendeiro sobre o saci-perere, o leprechaun huehuehueBR e a mula-sem-cabeça.

Filmes, que hoje claro, não assustem mais ninguém, mas nem por isso podem ser esquecidos, são eles os clássicos da Universal, os oito filmes que fizeram história e hoje recebem devidamente a alcunha de cult, mas que devem fazer parte da prateleira, de qualquer um que é fã de cinema, só pelo peso que os mesmos carregam, vamos falar um pouco sobre alguns deles, os que eu mais gosto, suas histórias, seus personagens, e ver se acendemos em vocês a chama do Terroooooor: só não vale fazer uma tocha com a chama e correr atrás dos caras

O Drácula – 1931

dracula_1931_poster_01

O primeiro filme dos grandes clássicos da Universal, marcou um gênero de atuação, o senhor das sombras, Conde Drácula, baseado no romance escrito por Bram Stoker, conta a história de um advogado, Renfield, que vai até um castelo na Transilvânia, para selar um acordo com o nosso querido monstro, para o aluguel de um imóvel em Londres, porém nosso advogado, não tem idéia de onde esta se metendo, ele é drogado pelo conde com um provavel boa noite cinderela outro clássico do horror e hipnotizado, se tornando a bitch escrava do Dracula, e assim ajudando o mesmo a ser enviado em um caixão para London! O Navio usado para o transporte ao chegar na cidade inglesa, tem a sua tirpulação toda encontrada morta e o único sobrevivente é tachado como louco, nosso querido advogado Renfield, o comedor de rator, e através de sua loucura ele é enviado a um manicomio, onde de lá se acontece o desenrolar de toda a trama com a apresentação de personagens com a Mina não mano é Mina mesmo e o Dr. Van Helsing. A caracterização do conde que não sai no sol, vira morcego e fumaça, não tem reflexo e odeia é alho, foi tão marcante neste filme, que eternizou a esteriotipo do chupador de sangue, interpretação esta realizada pelo ator húngaro Bela Lugosi, o filme é dirigido por por Tod Browning e também tras no elenco Helen Chandler como Mina Harker e Dwight Frye como Renfield;

Frankenstein (1931)

frankenstein_ver4_xlg

Quem não conhece uma das maiores frases de referencia do cinema “It´s Alive“, de 1931 a frase é dita pelo doutor Henry Frankenstein, quando o trabalho de sua vida toma vida ao receber uma descarga elétrica, o raio primordial, Dr. Henry, interpretado neste filme pelo ator, Colin Clive, acreditava ser possível trazer os mortos a vida, com a ajuda de seu fiel escudeiro, Fritz (Dwight Frye), ele coletava defuntos, pela cidade, e assim como uma boneca de pano, costurou todos os seus montros cada parte de uma pessoa, faltando apenas um cérebro, o mesmo fica a cargo de Fritz o encontrar, Dr. Henry até pediu para o corcunda preguiçoso ir até uma faculdade encontrar um, ele queria uma cabeça astuta, porém nosso corcunda, traz faz o mais fácil, e pega o cérebro de um assassino morto enforcado, dando lugar ao invés de uma criatura inteligente a um monstro louco e sádico, interpretado por Boris Karloff, o papel chegou a ser oferecido para Bela Lugosi, já citado acima, porém o mesmo o recusou, pois não poderia criar a maquiagem do monstro e nem teria falas, particularmente, este é um dos meus filmes favoritos do genero, adora a parte da criação do monstro, sua parte de terror sci-fi, e como tudo acaba, com o duelo entre criador e criatura, dirigido por James Whale e baseado em um romance escrito por Mary Selley, ou baseado em uma peça de teatro baseada no livro, que seja, é uma obra obrigatória, principalmente pela interpretação de Karloff como monstro, este é um filme que sim nunca será esquecido!

A Múmia (1932)

The_Mummy_1932_film_posterNão, não é o filme que tem o George: o Rei da Floresta, porém a múmia e o plot são basicamente os mesmos, A Múmia de 1932, é dirigido por Karl Freund, e traz em seu papel principal Boris Karloff pegou gosto de ser monstro como Imhotep. O filme conta que a múmia foi encontrada no inicio da década de 20, por uma expedição liderado por Sir. Joseph Whemple (Arthur Byron) e era a múmia de um príncipe, Imhotep, que foi condenado a ser mumificado vivo por tentar ressuciadar a sua amada sempre tem uma mulher, princesa Ankh-es-en-Amon, junto a múmia, também é um encontrado um pergaminho, mas como sou fã de Skyrim vou chamar de Scroll of Thoth, este, segundo a lenda, é capaz de trazer os mortos a vida, e é lido em voz alta pelo assistente de Joseph, Dr. Muller (Edward Van Sloan), trazendo novamente a vida Imhotep, que apesar de morto a tempos, ressuscita como ninguém, e escapa dos arqueólogos e ainda rouba o pergaminho, e sai em busca de sua amada, ou a mulher em que ela possa ter reencarnado, a história do filme é muito louca, a múmia ruma ao Egito, se personifica como Ardath Bey, lá ele acha onde possivelmente estaria sua amada, e para ajuda-lo a desenterrar, ele chama o filho do arqueólogo que o encontrou e o Professor Pearson (Leonard Mudie), eles encontram a tumba, recebem o tesouro que vai para o museu do Cairo, e Imhotep agora tem o cadáver de sua amada, e com uma busca implacável sem o Lian Neeson ele encontra Helen Grosvenor (Zita Johann), que é praticamente igual a sua esposa, ele tenta mata-la para recuperar a alma da princesa Ankh-es-en-amon, só que ela lembra de seu passado, e reza para Isis, a deusa egipcia, que interrompe o ritual, através de uma estatua dela no local do culto, usando um raio que incendeia o pergaminho, destruindo assim a múmia. Filme de terror, porém conta a história de um homem apaixonado acima de tudo e que foi morto injustamente, tadinho, ele só queria amar…

 

O Lobisomem (1941)

wolf_man_xlgAuuuuuuuuuuuuu, Big Bad Wolf!, O Lobisomem, filme dirigido por George Waggner, conta a história de Larry Talbot (Lon Chaney Jr.) que passou dezoito anos nos Eua America!uck yeah, recebe a notícia do falecimento de seu irmão, o que o faz retornar apara a sua casa no País de Gales, lá ele tentara fazer as pazes com seu pai Sir John Talbot (Claude Rains), vida vai, vida vem, Larry se encanta por uma garota local, Gwen Conliffe (Evelyn Ankers), balconista de um antiquário, como eram outros tempos, ele precisa de uma desculpazinha para ir dar em cima da garota, e vai até ela atrás de comprar uma bengala, acha uma, que é bem da hora por sinal, que tem um simbolo misterioso, um pentagrama, desenhos de lobos e é toda ornamentada em prata, Gwen lhe conta que aqueles eram símbolos do Lobisomem, um homem que se transforma em lobo, como gastou dinheiro na lojinha e teve um bom papo, ele consegue levar a moça para um passeio, eles escolhem uma quermesse local como destino, mas a guria, provavelmente não querendo dar, levou uma amiga, ou melhor, querendo dar a três, Jeny, a amiga, vai até uma barraca de ciganos para sua sorte seja lida em sua mão, quem interpreta o cigano é ninguém menos que nosso querido Drácula, e o cigano tem o nome difícil para ele decorar no texto, simplesmente Bela, o cigano vê na mão de Jany um pentagrama, o simbolo da criatura, e a expulsa do local, na saída ela é atacada por um lobo, e durante o ataque ela é salva por Tabot, que apesar de ter matado a bengaladas o animal, leva uma mordida dele, o que marca o seu destino, amaldiçoando-o para que ele se transforme na criatura, um destaque que dou ao filme, é a transformação de Tabot, que segundo a lenda fez pessoas correrem do cinema, e também o dilema moral vivido pelo personagem, pois enquanto humano, ele detêm plena consciência de suas responsabilidades pelas mortes que ocorrem, o filme conta também com uma belíssima trilha sonora, que nos faz adentrar dentro de toda a atmosfera sombria que é criada.

O Monstro da Lagoa Negra (1954)

creature-black-lagoon-poster

Talvez o menos conhecido dos clássicos da Universal, e último a ser lançado, é sem dúvida o que esta mais fresco em minha memória, pois foi o que assisti mais recentemente após descobrir que o filme é ideia de um brasileiro, a ideia do monstro, foi inspirada por um diretor brasileiro que o produtor americano William Alland encontrou na casa de Orson Welles, ele contou a história de um amigo dele, que desapareceu no rio Amazonas enquanto filmava para um documentário, falando sobre o folclórico povo-peixe; e da mitologia do peixe-povo surgiu o monstro que no filme, ele era como descrito no Wikipédia, ‘o último sobrevivente de uma espécie de humanóides anfíbios que viveram na Era Devoniana. Habitava uma remota e desconhecida lagoa localizada numa parte inexplorada da Floresta Amazônica. A criatura aparentemente era conhecida dos nativos pois o capitão do barco Rita, usado pelos pesquisadores, menciona uma lenda local sobre os “homens-peixe”.‘ Fato curiosLunette3DVideoDerniereSeanceo do filme, além dele retratar um monstro brasileiro para o mundo na década de 40, é que ele foi lançado em 3-D, e você achava que Avatar era quem criou a tecnologia né, falando sobre o filme, ele conta a história de uma expedição na amazônia que vai identificar uma fotografia tirada por Carl Maia (Antonio Moreno), no local onde deviam encontrar a especie de anfíbio que eles estavam pesquisando, após sem sucesso, a expedição decide mudar de lugar e irem até Lagoa Negra onde poderiam ter mais sucesso, lá encontram e capturam um anfíbia com aparencia pré-histórica, e a levam para estudos, é sempre assim, tadinha das criaturas escrotas e escondidas da Terra, porém a criatura escapa, porém enquanto capturada o ser meio homem meio anfíbio, conheceu uma mulher, sim, sempre uma mulher, a criatura havia se apaixonado por Kay Lawrence, interpretada pela belíssima morena Julie Adams, e em busca de seu amor, ela retorna para o acampamento da expedição sequestra sua amada, e declara guerra aos cientistas, de poético e bolo não tem nada no filme, porém é um clássico, que rendeu uma sequencia de vários filmes e referencias no cinema;

 

Estes são apenas alguns dos principais filmes criadas pela Universal e que marcaram o cinema, recentemente em uma abertura dos Simpsons, criada pelo excelente diretor, Guillermo del Toro, ele os personagens, a abertura faz parte dos especiais que o desenho da familia amarela realiza todos os anos no dia das bruxas.

Em 2012, a Universal, reuniu todos os seus clássicos, os remasterizou e os relançou em

classic monsters - essential collection (blu-ray)_07uma coleção de Blu-Rays chamada, Monster – The Essencial Collection, no Brasil, chegou por um preço bem azedo, mas hoje você já consegue encontrar bem baratinho na Saraiva, por exemplo, é uma ótima dica para quem gosta de filmes clássicos, filmes de terror, monstros, ou simplesmente se você for um colecionador, além dos filmes comentados acima, no box você também encontra: O Homem Invisível (1933), A Noiva de Frankenstein (1935), e O Fantasma da Ópera (1943), fica a dica para presentear e ser presenteado!

Também citados no post:

A Hora do Pesadelo

REC

A Bruxa de Blair

Halloween

HTML Snippets Powered By : XYZScripts.com